terça-feira, 13 de abril de 2021

Quanto Gastam?

Já houve tempos em que, com engenho e muito cálculo, fazendo o melhor uso que podia de talões, cupões e promoções, conseguia ficar pelos 100€/120€ em compras de supermercado por mês, para duas pessoas.

Belos tempos!😁

Agora, nunca consigo baixar dos 200€/mês, e somos só dois, sem filhos e sem animais de estimação!🤷‍♀️ É só impressão minha, ou as coisas ficaram, mesmo, muito mais caras?... Ainda há alguém que consiga a façanha de manter-se nos 100€/120€/mês em supermercado?...

Será que devo alterar o meu valor de referência?...

Quanto gastam vós, meus fiéis companheiros?...🙂

Cumprimentos,

Ariana


sexta-feira, 9 de abril de 2021

Eterna Tendência

A semana estava toda programadinha, não estava?😏

Não tinha nada com que me preocupar, a não ser aquecer as refeições que tinha feito. Simples, não era?...🙄

Pois era.

Mas não foi!😶

Então não é que a Arianinha dentro de mim, a gulosa, chegou uma noite do trabalho, e gritou comigo que não lhe apetecia sopa, mas sim shoarma???😋

E o pior é que lhe fiz a vontade! 😳 Ali com a sopa tão saborosa, nutritiva e super-saudável mesmo à mão de semear, e não tive forças para resistir!...😛

E o pior, mas pior de tudo... é que me soube tãããooo beeeeeemmm😅...

Claro que, mesmo assim, não houve desperdício cá em casa 😉, simplesmente andei com a ementa uma noite para a frente.

Este é, para mim, o maior obstáculo a fazerem-se ementas em bloco (semanais/mensais). É o não podermos saber o que realmente nos vai apetecer comer nos dias à frente.

Mas sempre é motivador para um maior controlo dos gastos, pelo menos assim o sinto.

E vocês, como fazem?

Cumprimentos, 

Ariana

sábado, 3 de abril de 2021

Ementa da Próxima Semana


Hoje foi dia de ir às compras.

Carne, peixe, verduras, batatas e cebolas, fruta, laticínios, e o "sagrado" café, para aguentar o dia a dia laboral😉.

Depois do almoço, voltei aos meus planos para a ementa da semana.

É que, sem ela, volto sempre ao mesmo erro de sempre: compro feito, por falta de tempo para cozinhar... o que implica gastar muito mais do que seria necessário 🙄.

Mas isso vai mudar!😉 Nada me impede de voltar à organização que tive noutros tempos!

Desta feita, pus mãos à obra!

Fiz sopa para os jantares da semana:

  • Sopa de feijão verde
  • Creme de feijão branco com espinafres 
  • Canja de galinha com millet 

Ao mesmo tempo, adiantei algumas refeições para a semana:

  • Dourada com batatas e brócolos, para assar no forno amanhã (deixei a dourada já temperada num pirex no frigorífico, com cebola, alho, tomate, vinho branco, azeite, sal, pimenta e tomilho. As batatas e brócolos já preparados dentro de um tupperware com água, para amanhã dispor no pirex da dourada.)
  • Feijoada de frango com arroz de cebola, para segunda-feira (já deixei tudo cozinhado. Segunda será só aquecer.)
  • Salmão grelhado com batata cozida e salada de tomate, para terça-feira (farei tudo na hora de almoço de terça, que tenho 3 horas para isso😉)
  • Entremeadas grelhadas com arroz e salada de alface, para quarta-feira (o arroz já deixei feito e congelado)
  • Dourada cozida com batatas e feijão verde, para quinta-feira (já arranjei o feijão verde, e guardei no frigorífico.)
  • Frango guisado com massa esparguete para sexta-feira (já deixei o frango guisado e congelado. Depois é só cozer os dois tipos de esparguete: normal, para o maridão, e sem glúten para mim)

Sabe tão bem ir dormir sabendo que os dias à frente vão ser mais leves😉!

E por aí? Planeia-se? Ou deixa-se ir ao sabor da corrente?...

Cumprimentos, 

Ariana

terça-feira, 23 de março de 2021

Um Pouco de Mim

"Continua, mãe!..." - dizia-lhe eu, de olhos fechados, enquanto lhe pegava na mão cansada e a depositava sobre a minha cabeça. - "Mais!..." 

E lá recomeçava ela nova série de festinhas na minha cabeça, esperançosa que fosse desta que eu adormecesse. E lá seguia eu, fielmente, cada movimento dela sobre os meus fios de cabelo, com o maior prazer possível, até me perder no mundo dos sonhos.

Foram sempre as suas festinhas o que mais me consolava em noites de pesadelos, nas otites recorrentes, no desconsolo da doença. 

Depois de casar, houve ocasiões em que as suas festinhas me fizeram tanta, mas tanta falta, que o maridão aprendeu a fazê-las, também ele esperançoso de me consolar a alma e ajudar a dormir.

Mas nos últimos 6 meses, a minha vida foi:

  • Mudar de emprego, repentinamente
  • Sofrer uma ruptura de um aneurisma cerebral
  • Reaprender a andar
  • Ser infectada com Covid-19, e infectar o maridão 
  • Lutar contra uma doença não identificada do meu patudo
  • Perder na morte, subitamente, o meu "filhote" de 12 anos

Admito. Sinto uma angústia crescente a apoderar-se de mim quando estou só. Sei que não estou bem.... Mas a vida não pára.

Só me apetece enrolar sobre mim própria e esperar  pelas festinhas na cabeça que a minha mãe tão bem sabia fazer. Pegar-lhe na mão e implorar que não parasse até eu adormecer profundamente...

Talvez isso me confortasse esta alma tão desorientada que nem sabe já a quem pertence.

E vocês, o que vos conforta nestes momentos?

Ariana

sábado, 13 de março de 2021

Maternidade Canina





Esta semana ficou marcada, para sempre.

O meu filhote mais novo rendeu-se à doença. 

Foram dois meses complicados, permeados por constantes vómitos  e dejecções aquosas. Recusava-se a comer, mas tinha fome, ficou em pele e osso, cambaleante, mas os seus olhos sempre miravam as minhas mãos, expectante que lhe oferecesse algo que conseguisse comer sem deitar fora.

A Dra. Veterinária via-o todos os dias, tratava-o todos os dias com vários injetáveis e soro, e achava que ele ia vencer mais esta batalha, pois tinha análises de um cão jovem, apesar dos seus 12 anos de vida.

Nunca perdemos a esperança. 

Mas na manhã de sexta-feira, quando o fui chamar para comer... já não estava connosco.

Adormeceu na sua caminha, para sempre.

Está a ser um choque, entrar numa casa tão vazia... Como é que um ser tão pequenino nos preenchia cada canto desta casa?...

Foram 20 anos de maternidade canina, que começou em 2000 com o P., e que agora terminou abruptamente com o A., sem aviso nem preparação. 

Agora somos só nós, maridão. Tu, eu e uma casa vazia.

Será que conseguimos?...


Ariana

segunda-feira, 1 de março de 2021

De Volta!

Estamos todos bem. Felizmente.

Já regressámos ao trabalho, sem seqüelas na nossa saúde. 

Estes últimos eventos da nossa vida, nestes últimos meses, deram-nos a prova de que só temos pelo que estar gratos e felizes, pois muito boa gente não sobrevive a um aneurisma para depois poder contá-lo, e muitos também não sobrevivem ao Coronavirus...

Claro que as finanças andam pelas ruas da amargura, com tanto imprevisto o fundo de emergência está quase nas lonas🙄... 

Mas, vão-se os anéis, ficam os dedos!😊 Volta-se a construir o fundo de emergência!

Isto da vida é um pouco como os formigueiros😊. As pobres das formigas constroem a sua casinha, lá vem uma chuvada forte, desaba tudo. Voltam a abrir as saídas do formigueiro, lá vem um distraído, pisa nas entradas, lá vão elas reconstruir as saídas. 

Connosco não é muito diferente! 😋 O que importa é não desistir, e reconstruir sempre que há oportunidade!

Como estão os vossos formigueiros?...🙂

Cumprimentos, e continuem a reconstruir!😉

Ariana

domingo, 21 de fevereiro de 2021

Uma Pérola de Sabedoria

 Hoje ouvi isto, e deu-me um novo foco:


"Se não pode evitar os problemas da vida, a solução é aprender a viver com eles."


Aprender a viver com o que é, não com o que queria que fosse. É uma ideia. Para mim, ajudou.

Cumprimentos, 

Ariana

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

Como Vão...

 ... as coisas por aí?

Por aqui:

Yap!...

O maridão não conseguiu escapar de ser infectado com o bicho🙁🙁🙁

Por enquanto diz que não sente nada. Mas o medo de que lhe aconteça como ao outro nosso amigo, digo-vos, é GI-GAN-TES-CO. 

Posso parecer-vos maluca, mas a vida já me ensinou que, se uma coisa pode acontecer, então a nós, acontecerá de certeza (Lei de Murphy, já ouviram falar?). Basta uma leitura leve pelos posts cá da casa para perceberem como tudo tem mesmo acontecido, seja de bom, seja de mau.

Mas como não podemos fazer mais nada - esperamos. 

Às vezes, quando olho para a vida que temos tido, penso que não temos feito outra coisa senão esperar. Esperar que passe o mau tempo. Esperar que o céu se mostre. Esperar pela bonança, que teima em chegar. 

Mais alguém se identifica?...🙄

Cumprimentos, e não percam a esperança!

Ariana

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

Um "Olá" Solicitado (e com razão)

Olá, 

🙂 Como estás?

Espero sinceramente que te encontres bem de saúde, tu, e todos os teus. Nos tempos que correm, só isso, já é uma fortuna!😉

Por aqui, as coisas estavam a ir melhores, desde que tive aquilo que me sentia um pouco trocada nas palavras, mas coisa pouca, apenas trocava os opostos e conjugava mal alguns verbos, como "Eu fazeu" em vez de "eu fiz", ou "restos de amanhã" em vez de "restos de ontem"... Tal como disse, estava a ir bem.

Mas depois, claro, tive de voltar ao trabalho.

Fui devagar, como quem tenta habituar-se à água fria do mar, entrando devagarinho, para não assustar o corpo. 

Não temia esse monstro do Coronavirus, porque sabia que, em nossa casa, só entrava eu e o maridão, e, fora de casa, nunca tirávamos as máscaras, nem para comer! Comíamos apenas em casa, depois de lavar muito bem as mãos e o rosto.

Mas nem todas as pessoas temem o bicho da mesma maneira, sabes?

No meu trabalho, havia sempre alguém que tirava a máscara quando não estava a ser observado, ou que comia lá na hora de almoço, e portanto, tirava a máscara durante esse tempo,  já sem falar dos clientes, que passavam a vida a infringir as regras estabelecidas pela casa🙄...

Eu continuava sem temer nada, por saber que não estava exposta a essas situações, ia almoçar a casa, nunca tirava a máscara, trocava a máscara a meio do dia, lavava frequentemente as mãos no trabalho com sabão azul e branco, enfim...

Mas depois a minha colega começou a fazer um ruído típico, que costumo identificar em quem tem dor de garganta... E no dia seguinte, lá me confidenciou que lhe doía a garganta e tinha tido 37,7° de temperatura de manhã. Eu sei o que todos dizem "37 não é febre", mas, sejamos realistas, quando a temperatura sobe acima do normal, já diz tudo, não achas?...😐

Assim, ela ganhou coragem, e foi fazer um teste, por ela, já que na Saúde 24 a resposta obtida foi a que já te disse acima.

E sabes que mais?...

Estava "Positivo".

Isso deixou-me com a pulga atrás da orelha. Será que a voz fanhosa da outra colega não era também o mesmo?... E depois soube que outra colega não tinha paladar nem cheiro...

Já percebeste, não já?...😐

Fui fazer o teste, a mando da Saúde 24, e hoje recebi o presente envenenado: Positivo!😔

Assim, agora sou prisioneira dentro da minha própria casa, a tentar de todos os modos evitar que o maridão contraia esta doença perigosa para quem é de risco, tal como ele é 😔. Ainda hoje perdemos um amigo para essa doença...😭

Vivo um dia de cada vez, com máscara na cara desde que acordo até que me deito, longe de tudo e de todos, apenas com 1 janela para a sala de refeições... Sim. A janela do meu quarto é interior😕

O maridão foi alvo de um upgrade: passou a dormir no sofá... Já sem falar na solidão de passar todo o dia sozinho, entre o sofá e a secretária, pontuada com os passeios higiénicos do cão... E ainda "só" faltam 11 dias disto, até saber, com novo teste, se estarei "capaz" de ser "liberta". 

E nesse entretanto, saberei se o maridão foi poupado a esse terror, ou não. Nem quero pensar nessa hipótese do "ou não"😓

Desculpa não ter coisas boas para te contar, mas por aqui as coisas nunca andam muito tempo boas, como já percebeste... 

Talvez por isso tenha aprendido bem cedo a celebrar a vida, cada vitória "insignificante" para os outros é digna de pompa e circunstância da minha parte. Daí a minha reputação, de "exagerada"😊... 

Eu não me importo. Neste momento só quero passar rapidamente por estes 11 dias, mais os 14 dias do maridão, sem consequências de maior, para poder voltar a celebrar, com pompa e circunstância, todos os pormenores bons da vida! Que ainda os há! 😉

Cuida-te bem. De ti, e dos teus. Faz tudo para os protegeres.

Espero poder ouvir boas notícias desse lado, quando este "monstro" já for coisa do passado😉

Beijos, tua amiga

Ariana

sábado, 2 de janeiro de 2021

Celebrar a Vida


Neste período de ausência, muita coisa aconteceu. 

Dei-me conta da minha mortalidade. De como tudo pode acabar num segundo.

Nos primeiros dias de internamento, o maridão foi incentivado, pelos da equipa médica do serviço onde estive, a despedir-se de mim enquanto havia tempo.

O impacto que estas pessoas tiveram na personalidade do maridão, só o percebi quando vim para casa e ele partilhou comigo toda a sua vivência. Emagreceu. Ganhou olheiras. Insónias. Muitas lágrimas e até depressão. 

Enquanto eu estava numa de "deixa-te estar que estás bem", deitada na enfermaria, a receber a minha morfina, o maridão não conseguia saber de mim pelo telefone. Teve mesmo de se pôr ao caminho, a pé, por várias vezes, e fazer uma "espera" à entrada da enfermaria, para conseguir saber se eu estava a melhorar ou não. 

Fiquei imensamente triste por ele. Sei que se fosse ao contrário eu teria feito a mesma coisa. Mas... proclamar-se um luto enquanto ainda há vida, isso faz-se a alguém?... 

E mesmo quando voltei para casa, o maridão não dormia. A cada volta que eu dava na cama ele acendia a luz para ver se estava bem. Se ele fechava os olhos e dormitava, tinha pesadelos com a minha perda.

Esteve vários dias debaixo de pânico. Assim que eu pegava numa panela ou me abaixava para chegar a uma gaveta, ele quase que tinha uma síncope, de terror que o aneurisma rompesse de novo.

Tivemos muitas conversas sobre aqueles dias. Para compormos o quadro todo, relatámos dia a dia o que vivenciámos e o que sentimos. Chorámos.

Aos poucos fomos conseguindo afastar o medo, e dar lugar à vida que (ainda) nos assiste.

De dia para dia, fui vendo o rosto do meu amado a largar a preocupação desmesurada, o sorriso a voltar-se-lhe, o sono a recompor-se.

Aos poucos a liberdade de movimentos para mim. O meu humor a voltar. A minha gargalhada a iluminar a vida dele.

Ontem dançámos na nossa sala de estar. Ao som de um fado do Carlos do Carmo, celebrámos a vida.

E que bom que é estar viva contigo, amor!❤

Cumprimentos, e que também possam celebrar a vida!

Ariana

quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

O Dia Em Que o Mundo Mudou -III

- Susana!! Ela caiu!! Ela desmaiou e caiu!!!... Chame uma ambulância, rápido!...

Susana olhou estupefacta para a patroa, ao ouvir o seu tom de desespero tão pouco usual. Era a imagem do medo em pessoa.

- Dra? Quem é que caiu?

- A Ariana!!! Agarrou-se à cabeça e desmaiou! Não sei o que foi!... Estava tão bem a falar comigo... e num segundo estava no chão!

Susana foi o mais rápida que pôde a chamar a ambulância. Sentiu um arrepio na espinha, ao pensar que a sua colega ainda tinha menos 10 anos do que ela. 

"Num segundo ela estava bem, e no outro, perdeu completamente os sentidos... A vida é mesmo muito frágil. Não dá para andarmos a brincar com a nossa saúde... Não somos indestrutíveis ..." 

No meio destes pensamentos, nunca se sentiu tão certa com respeito a uma decisão sua, como neste momento, por ter deixado de fumar há quase 1 mês. 

Os breves minutos que o Inem demorou a chegar pareceram-lhes horas. Susana e a sua patroa fizeram o que podiam para garantir que Ariana estava confortável, apesar de dolorosamente inconsciente. Uma almofada debaixo da sua cabeça, uma manta para tapar o corpo e o estado lastimável em que ficou, depois de desmaiar, pois perdeu o controle total do seu corpo - urinou-se toda.

- Vou buscar a carteira e o telemóvel dela - afirmou Susana - para dar os seus dados ao enfermeiro. E vou tentar avisar o marido dela...

Enquanto Susana procurava os contactos no telemóvel da colega, Ariana foi carregada para dentro da ambulância. Absorta nos seus próprios receios sobre o futuro, ao olhar perdido no corpo imóvel da colega enquanto a levavam para fora, Susana mal reparava que havia uma chamada no telemóvel da amiga. Dizia "MÃE".

"Que horror! É a mãe dela quem liga!... Não posso atender. Não vou dar uma notícia destas a uma mãe que nem sonha o que se passou. Coitada da minha mãe!, se isto fosse comigo, e uma estranha é que a informasse! A mulher tinha, de certeza, um ataque nervoso!... Não. Vou tentar avisar o marido."

Mas a chamada não foi atendida.

"MANA". Era outro contacto no telemóvel da colega. Também dava. Susana tinha o coração a mil. A chamada foi atendida. A voz desconhecida que a atendeu deixou-a sem chão.  Soava tão nova!.. Enquanto lhe falava e relatava o sucedido, ouviu um grito abafado, e choro em murmúrio.  Susana chorou também. Como não o fazer?

Entorpecida pela dureza da primeira missão, Susana deixou-se levar pelo embalo e voltou a tentar ligar para o marido da colega.

Ariana sempre falava tão bem do dito, via-se-lhe tão bem no rosto a felicidade em ser sua esposa, que ter a inglória tarefa de ser ela, Susana, a  portadora de más notícias, lhe queimava as entranhas. Desta segunda tentativa, não se podia esquivar - ele atendeu.


--- continua ---

domingo, 22 de novembro de 2020

O Dia Em Que o Mundo Mudou - II

"O que será hoje o almoço?" - pensava ele, enquanto subia a encosta suave, e ainda verdejante, do campus.

"Desde que ela conseguiu este novo emprego, nunca mais houve necessidade de andarmos com os tupperwares atrás, carregados com o almoço,  lanches, e em alguns casos (dela) até jantares. Que canseira era aquela vida para ela."

"E o tempo para nós, para estarmos juntos? Já nem tenho memória de quando foi a última vez que as nossas horas de almoço estiveram sincronizadas..."

"Deixa-me ligar-lhe, para dizer o tempo que demoro a chegar."

O toque da chamada era um toque normal. Linha desimpedida. Mas não era normal ela não atender.

"Estranho. Deve estar a ouvir música alta, aquela rapariga não muda mesmo. Um dia vai ficar mouca que nem uma porta, e depois eu que a ature, eheh!"

Desistiu de tentar ligar-lhe. Normalmente, ela acabava por ver a chamada não atendida e devolver o contacto, por isso, nada de preocupante. Desde que levasse o telemóvel na mão, em modo vibratório, funcionava sempre.

Finalmente, o telemóvel vibrou. 

"Olha quem é ela!, a minha "sardanisca" preferida! Já viu que lhe tentei ligar."

- Bom dia minha querida! Então, que fazes tu?

- Boa tarde, estou a falar com o marido da Ariana?  Daqui fala a Susana, sou colega de trabalho da sua esposa, peço desculpa por estar a ligar-lhe, assim, do telemóvel da sua esposa, mas, infelizmente, tenho uma notícia muito triste para lhe dar...

Ele sentiu um baque forte no seu coração. Parou de andar, que as pernas se lhe transformaram em trambolhos de pedra. As mãos encheram-se de água, da transpiração que sentiu, todas as suas células pendentes nas palavras "uma notícia muito triste para lhe dar".

- Uma notícia muito triste?... Mas, o que aconteceu? Onde está ela agora?

- Ela esteve bem, aqui no trabalho, a fazer as suas tarefas, tudo normal. Só que quando chegou a hora de almoço.... ela teve qualquer coisa que a fez desmaiar, vomitar e ter uma convulsão... Já chamamos o INEM, fique descansado, que ela já vai a caminho do hospital. E tenho a certeza que ela vai recuperar, a sua esposa é uma pessoa muito "zen" aqui no trabalho, sempre calma, se há pessoa para ultrapassar isto, é ela, tenho a certeza!

- Para que hospital a levaram, por favor? E eles não disseram o que podia ter sido?

- Sim, levaram-na para o São José. Disseram que parecia algum acidente vascular cerebral, pelo que observaram... Mordedura de língua, convulsão, vómitos, a dor de cabeça intensa... Eles falaram em aneurisma, mas não sei mais nada. 

- Vou já para lá! Obrigado, Susana. Depois passo aí para levar o telemóvel dela e as coisas dela que tenham ficado aí. 

- Sim, está cá a mala dela, o telemóvel e a bata. 

- Ok, obrigado por me contactarem. Depois do hospital, vou aí. Obrigado, e até já. 

A chamada acabou. 

Ele ficou por uns momentos a aguardar que o sangue lhe voltasse a correr nas veias. A sua querida teve um... avc?... aneurisma?...

"Mas, como?...  O que é que fizémos de mal? O que é que a trouxe a isto?... Deveria eu ter sido mais rápido em estimulá-la a sair do velho emprego? Será que foi a ansiedade que aquilo lhe dava que lhe causou isto?..."

As lágrimas soltavam-se a par e passo pelo rosto abaixo.

"E, como é que ela está? E, como é que vai ficar depois disto??? Neste meio tempo, pode até já ter morrido, e eu sem estar ao seu lado! Meu Deus! Dá-me força para me aguentar, quando a vir. Ó meu Deus, preciso de forças ATÉ para lá chegar, que a distância ainda é grande! Vou como?... Um autocarro!, vou já por aqui!"

Fez sinal ao motorista, que encostou, para ele entrar. 

E lá seguiu viagem, imóvel como uma múmia, mas no seu caso, enfaixado ainda vivo, paralisado pela realidade da vida... 

"A qualquer momento, qualquer coisa pode mudar o nosso mundo! O que será que vou encontrar?..."


--- continua ---

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

O Dia Em Que o Mundo Mudou

Ela tinha tudo feito.

20 minutos depois da hora de sair para o almoço, é verdade, mas ela preferia fazer assim e saber que, quando regressasse de tarde, não tinha nenhum trabalho pendente da manhã. 

Mais paz mental, para ela, ao iniciar o trabalho da tarde.

Há quem categorize pessoas assim como sendo "minuciosas demais", "perfeccionistas", "ansiosas".

Para ela, isso não lhe marcava na alma. O que lhe importava era fazer um bom trabalho, um que não a obrigasse a perder mais tempo da sua vida do que o estritamente necessário para obter a aprovação dos patrões.  

Porque tempo era um bem muito precioso. Tanto, tanto, que quando se dirigia ao escritório da patroa para informar que ia almoçar, na sua ideia ia a proposta de, como saía 20 minutos depois da sua hora, se poderia entrar 15 minutos mais tarde.

Só que, da proposta, ficou apenas a sua ideia.

Quando estava a despedir-se da patroa, a sua cabeça estalou, teve de se agarrar com todas as suas forças a ela, como se, por fazer isso, ela não se lhe escapasse das mãos para ir onde lhe apetecia...

Perdeu os sentidos.

Nem chegou a sentir o chão frio a bater-lhe nas costas quando chegou, inconsciente, ao soalho do escritório.

Quando voltou a si, à sua volta havia uma parafernália de instrumentos, e de pessoas, cada uma a fazer-lhe perguntas diferentes, nenhuma das quais conseguia responder com a clareza necessária. 

- Sabe o que lhe aconteceu?

- Sabe onde está?

- Toma medicamentos em base diária? Sabe dizer o nome deles?...

Ouvir, ouvia bem, já responder-lhes, isso exigia uma rapidez de pensamento que ainda não conseguia demonstrar.

E a cabeça?... Que dor horrorosa era esta que a impedia de poder deitá-la na maca??? A cada vez que o enfermeiro lha baixava, parecia que ia rebentar como uma pipoca.

"Mas afinal o que me aconteceu?...

Fez um esforço mental descomunal para juntar as peças e lembrar-se do que estava a fazer até perder os sentidos.

Foi quando a imagem das suas mãos, agarradas à sua cabeça como um náufrago se agarraria a uma tábua flutuante com unhas e dentes, lhe disse tudo.

- O que é que me aconteceu? - perguntou, confusa, aos enfermeiros.

- Você teve uma ruptura de um aneurisma cerebral. Mas não se preocupe, estamos a fazer tudo o que podemos para a ajudar. - virou-se para o motorista e gritou - 'Bora, podemos seguir!


---- continua ----

segunda-feira, 12 de outubro de 2020

Sopa Faz Bem!

Quem me visita há mais tempo já sabe que encaro o congelador/arca congeladora como um grande aliado para a poupança alimentar.

Eu congelo praticamente tudo, sempre com estes objetivos em mente: 

  1. Adiantar trabalho para a semana
  2. Prevenir o estraganço 
Quando tinha folgas durante a semana, usava esses dias para adiantar as refeições para os dias à frente.

Agora, com esta nova mudança no meu horário de trabalho, tive de reorganizar os tempos para cozinhar. 

Prefiro gastar umas 2 horas de seguida a cozinhar, ao fim de semana, do que ter de cozinhar todos os dias. 

Assim, no sábado passado, aproveitei o fim de tarde para fazer as sopas para os jantares da semana. 

A primeira coisa foi ver que ingredientes tinha para usar, e procurar as receitas que os utilizassem.



Depois de escolher as sopas, foi só colocar 3 panelas ao lume, com os ingredientes, e deixar cozer.

Na panela maior fiz um creme de alho francês e cenoura, que depois dividi em duas panelas mais pequenas para maximizar a variedade: espinafres numa e ervilhas noutra.

Nas outras duas panelas mais pequenas fiz um creme de feijão branco com salsa, que apesar da simplicidade de ingredientes fica muito saborosa, e um creme de cenoura com tomate, que gosto imenso de acompanhar com ovo cozido por cima, ou com bacon salteado, que também vai optimamente😋

Depois de cozinhadas, foi só distribuir em recipientes devidamente identificados, para congelar.

Assim, ao longo da semana, tenho sempre sopa para o jantar, sem ser sempre a mesma, sem ter de andar a cozinhar todos os dias, e sem correr o risco de ceder à tentação de comprar comida já feita😉

E enquanto fazia as sopas, ainda aproveitei para fazer um arroz de bacalhau a partir de um arroz de grelos que já tinha feito e duas postas de bacalhau que já tinha cozidas.😉

Ao descongelar as sopas, basta que as faça ferver que ficam com a consistência normal como quando acabadas de fazer😊

E assim se poupa na carteira, na saúde e no tempo!😉

Cumprimentos, e não deixem de comer sopa todos os dias!😋

Ariana

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Poupanças Com as Mudanças

Uma mudança grande na vida traz sempre alguma ansiedade à mistura.

Como quando mudamos de casa, ou mudamos de cidade, ou mudamos de trabalho.

Mas também existem pontos positivos em fazerem-se mudanças. Só é preciso fazer o exercício mental para os visualizar😉

No meu caso, esta última mudança, em que me despedi, de vez, do trabalho-efectivo-de-há-14-anos mas tão-negativo-para-a-minha-saúde-mental também trouxe as suas ansiedades (novos softwares, novos códigos para memorizar, mais entidades com quem trabalhar, novas pessoas, etc) mas com ele também vieram coisas positivas😉.

São elas:

  • Deixei de precisar do passe de autocarro para a terrinha. Poupança: quase 100€/mês🙃 Também poupança na saúde, que deixei de viajar em autocarro as 3 horas diárias que viajava, com as suas consequências terríveis sobre a minha coluna.🙂 E poupança no tempo gasto em viagens, que era sempre sub-aproveitado😉.

  • Passei a ir almoçar todos os dias a casa. Poupança: refeições feitas em casa mais variadas e nutritivas, que não precisam de se aguentar em lancheira térmicas😉. Também poupança na minha saúde, que deixei de andar carregada com a comida para um dia inteiro🙂. E também poupança nos cafés, que agora são sempre bebidos em casa😉. 

  • Mudei de um part-time para um full-time. Poupança: cerca de 325€/mês 😊


E por aí, alguma mudança na vossa vida? O que notaram? Mais despesa, ou mais poupança?😉

Cumprimentos,  e tirem o melhor partido das mudanças na vida!

Ariana

sábado, 12 de setembro de 2020

Mudar de Vida



Sabem como os elefantes dos circos são mantidos aprisionados por uma corrente amarrada a uma das suas pernas, e apenas segurada por uma estaca enterrada no chão?... Eles não se soltam, não porque não o consigam, mas porque não sabem que o conseguem fazer!😉

O mesmo se passa em outros contextos da nossa vida. 

Mulheres são maltratadas pelos parceiros, que lhes repetem vez após vez que estão "acorrentadas" e que não se podem libertar.

Crianças são abusadas por pessoas da sua confiança, que lhes garantem que não podem pedir ajuda porque serão elas as punidas pelo acto.

Empregados são inferiorizados pelos patrões, que lhes incutem a ideia de que mais ninguém lhes dará um emprego e que passarão necessidades se quiserem largar o seu posto.

Somos todos um pouco "elefantes" em alguma coisa!

Porque todos temos o que precisamos para mudar de vida, apenas não sabemos que o possuímos 😉

E o medo do "a seguir" também nos paralisa... 

Eu, por exemplo.

Já tinha feito 3 tentativas sérias para deixar o meu emprego anterior. Numa, fui chamada à atenção por ser "demasiado velha" e apelidada "sem perfil" para a função, a mesma que já desempenhava por anos no meu trabalho😧... Tive de voltar ao emprego na terrinha😥.

Na segunda, fui eu que tive de recuar, por, ao fim de 2 semanas, ter percebido que o que procuravam era um bode expiatório para culpar pelas actividades ilegais que praticavam no escritório, e esse bode seria sempre a secretária, que era quem realmente tinha de desempenhar todas as ilegalidades solicitadas😳...

A terceira não correu mal, mas não era de se poder contar como estável, pois chamavam e mandavam para casa a seu bel-prazer, conforme achavam que o trabalho justificava ou não...

E depois veio o grande balde de água que vos contei no ano passado, no emprego na terrinha, de me despirem de toda a minha dignidade por enxovalharem a minha pessoa com críticas sarcásticas...

Eu sabia que tinha de largar aquilo, para bem da minha saúde,  mas já duvidava se alguma vez o seria capaz🙁...

Até que saltei!🙂

Tal e qual assim.

Num dia fui trabalhar, no seguinte já não fui.

Num dia estavam a fazer planos de me "obrigarem" a ir para a terrinha todos os dias e viajar 3 horas diárias, fazer 190 Km por dia, e no outro estavam a receber a minha demissão. 

Precisei de um estômago de aço naquela hora, esperava todo o tipo de enxovalhamento e impropérios por parte das patroas, mas, tal como alguém aqui já me tinha dito😕... era o que elas queriam e já andavam a tentar levar-me a fazer há meses. Assim não tinham de me indemnizar🙄. E talvez por isso ninguém se manifestou quando apresentei a minha carta de despedimento.

Mas isso também não me importou.🙂

No dia a seguir comecei noutra clínica. A 10 minutos de casa. 😉

Com hora de almoço em casa!😊

Sem viagens longas, nem horas pela noite dentro!😉

O contrato já foi assinado, e eu estou tão contente por ter dado mais aquele último puxão à correntinha🤗!...

Agora é andar para a frente, nunca olhar para trás,  cuidar da minha saúde e fazer pela minha/nossa vida!🤗

Portanto, a todos os "elefantes" que por aí se encontrem, por favor, ouçam:

😀VOCÊS CONSEGUEM!!! 😀

Não se resignem se não estão felizes. Vão à luta e puxem com força! A vossa vida não pertence a mais ninguém, só a vós mesmos!

Não se deixem aprisionar por uma correntinha ridícula 😉

Um beijo,

Ariana

segunda-feira, 7 de setembro de 2020

Hoje

... é o dia!😉

Vou precisar de toda a coragem do universo!

Boa semana para vós!😊

Ariana

terça-feira, 1 de setembro de 2020

MAIS POUPADOS

Obrigada a todos, pelo tempo dispendido comigo, a aconselhar-me e a esclarecer-me nesta situação com o meu emprego🤗. 

Fui informar-me, e, de facto, o meu contrato não obriga a permanecer "de prevenção" para quando seja necessário substituir a colega😉.

E também não me podem ameaçar com despedimento por conta disso. Tenho liberdade legal para preencher o meu tempo livre com outro trabalho, se assim o entender e necessitar.

Tal como o tem, também, a minha colega! Só que a ela não lhe faz diferença; a mim, faz toda a diferença do mundo! Para nos sustentarmos, nos meus 5 meses de baixa, tivemos de recorrer ao fundo de emergência, de maneira que, agora, estamos onde não gostávamos de estar, nem de ficar por muito tempo😔...

Mas nem tudo são rosas... apesar de ter a lei do meu lado...

As patroas estão determinadas a abalar-me com a possibilidade de um despedimento, apesar de não haver justa causa. Têm tido, todos os dias, um discurso agressivo e ameaçador comigo. Estou a antecipar uma proposta de despedimento por mútuo acordo... a qual, digo, já, não estou muito "de mútuo acordo"😉, mas depois logo vejo.

Mas vai, não  vai, tenho pensado em todas as opções e no que está ao meu alcance fazer.

Eu e o maridão temos uns projectos para o nosso futuro imediato, mas por agora o foco são estas duas questões: 

  1. Como manter-me a trabalhar com os meus problemas de saúde? 
  2. E como produzir mais rendimentos?

Para a 1a questão, ainda estamos a analisar as possibilidades. Se fico neste part-time, se procuro um tempo inteiro, se me deixo ficar como estou até elas explodirem...

Para a segunda, tenho uma novidade😊:



Depois destes anos todos, a "ouvir-vos" pedir-me livros sobre economia doméstica, workshops, formações e conselhos, pus o pé na água fria, a medo😋.

Abri, finalmente, a porta para esta área. 

Propus-me a partilhar os meus conhecimentos adquiridos (😅à força, por causa da crise) num modelo menos informal do que é aqui no blogue.

Seja para poupar na electricidade, água e gás, seja para baixar a renda, pagar menos nos seguros, ou até nas despesas bancárias, passando até pelas compras de supermercado, existe todo um mundo de possibilidades para se conseguir viver mais poupado!😉 Daí, o nome: MAIS POUPADOS CONSULTORIA😊

De momento, conto com o passar da palavra para que me experimentem. Que partilhem com quem acham que podia beneficiar-se de uma ajuda prática. O email de contacto para esta actividade é o:

maispoupados@gmail.com

Pronto.😊

Aqui está um passinho de bebé para a frente! Que este bebé bem tem vontade de andar!😊 Agora é dar-lhe a mão!😉

Beijinhos, e obrigada a todos vós que me incentivaram a dar este passo! Este "bebé" também é, de certa maneira, vosso!🤗 Parabéns!


terça-feira, 25 de agosto de 2020

Um Passo Para a Frente, Dois Para Trás

Querido diário, 

Quando eu percebi que teria de enfrentar as minhas patroas a semana passada, e falar-lhes das minhas necessidades e projectos, nem imaginas como fiquei soterrada em pânico😳😳😳...

Eu, que já não precisava da medicação para a fibromialgia há 2 meses, tive de recorrer aos comprimidos-maravilha para aguentar tanta dor no corpo... (Realmente, é bem verdade que a mente tem muito poder sobre o corpo! Eu parecia que ia morrer de tanta dor, como se tivesse sido atropelada por um autocarro!...)

Ensaiei o meu discurso de mil e uma maneiras, procurei ansiosamente pelas palavras certas, que não as deixassem ainda com mais rancor contra mim.

Busquei conselhos no maridão, na minha mãe, nas amigas, ouvi com atenção a forma como se expressaram e como me dirigiam as suas palavras.

Fiz um filme de terror na minha mente, eu sei.😱

Mas após 5 meses de baixa, voltar ao trabalho para dizer que quando regressar, em Setembro, terei de reajustar o meu horário para 2 dias por semana (e por consequência, o da minha colega para 3), porque a partir daí estarei indisponível, devido a ter conseguido um outro trabalho aqui em Lisboa😳... eu esperava que caíssem o Carmo e a Trindade😬!...

Sim, pois é! Tenho essa boa notícia para te dar!😊 Consegui um part-time aqui em Lisboa!😊

Bem, mas voltando à história. 

Não caíram o Carmo nem a Trindade. Até me surpreenderam com tamanha "benevolência" ao dizerem que me compreendiam a necessidade de outro part-time. E que a alteração de horário era fazível, bastaria fazer um aditamento aos contratos😉!

Vim de lá entusiasmada. Acreditei mesmo naquela boa-vontade tão espontânea🤗...

Ia mesmo conseguir reduzir o horário ali, e reduzir o número de viagens longas para ir trabalhar. Ia ter um outro trabalho mais perto de casa, sem viagens, e portanto sem os efeitos secundários dos transportes sobre a minha coluna. Ia ser uma nova fase interessante🙂.

IA!

Pois, tu já sabias que elas iam voltar com a palavra atrás, não sabias🤥?...

Eu não🥺. 

No dia seguinte ligaram-me, com a única intenção de me puxar o tapete debaixo dos meus pés. Para te poupar aos pormenores, dito diretamente e sem filtros a coisa foi do tipo "se aceitar esse segundo part-time vamos ser obrigadas a dispensá-la, porque precisamos de a ter 100% disponível para as necessidades da clínica. Não lhe podemos pagar mais, porque não podemos, mas também não pode procurar outro part-time para aumentar os seus rendimentos porque nós podemos precisar de si nesses dias em que vai para o outro trabalho!"

😖😖😖A sério, achas normal???

Então nós estamos a receber metade do ordenado, que recebíamos a tempo inteiro, há 8 anos, trabalhamos metade da semana, ou seja 2 dias e meio; o que era supostamente um corte salarial "temporário " nunca mais foi reposto, nem têm essa intenção, pois disseram-me mesmo que a situação ideal para eles é a situação actual em que nos encontramos; e nós não podemos fazer nada pela nossa vida porque a clínica "precisa" da nossa disponibilidade total???😠

Isto é, sequer, LEGAL???

Nem imaginas como me sinto nesta última semana😖! Estava capaz de me despedir sem olhar para trás, não fosse o caso de precisar mesmo de aumentar os rendimentos familiares😖... o maridão quer fazer a sua licenciatura, e se eu ficar sem este trabalho mais antigo fico na mesma, com um só part-time (o novo) mas sem aumento nos rendimentos😕...

De maneira que é isto.

Como é que resolvo a minha vida?... Despedir-me, não quero (pelo menos nos próximos 3 anos). Estou efectiva há mais de 10 anos ali. Nem posso. Vamos precisar deste ordenado.

Rejeitar um segundo part-time? Não quero. Nem posso. Os nossos projectos para o futuro passam pela licenciatura do maridão, que implica mais despesas, que implica ter mais rendimentos, daí o segundo part-time...

Ficar como estou, fazer-lhes "a vontade" de ficar "de prevenção" para a clínica  também não serve para os nossos planos. Não me pagam mais por isso, e nem sei se é legal o que estão a querer fazer...

Para a minha saúde, fazer menos vezes as viagens de autocarro também seria melhor para mim: estas viagens que fiz, para ir lá falar com elas, deixaram-me feita num oito, as hérnias assanharam-se contra mim logo no próprio dia😵...

Querido diário, algumas palavras de sabedoria que me queiras emprestar🙏?... Prometo que as ouço com toda a minha atenção!

Beijinhos, e até amanhã!

Ariana

segunda-feira, 13 de julho de 2020

Outras Notícias, as da Poupança

TRANSPORTES

São já 4 meses que não vou trabalhar para a terrinha, o que se traduziu em não precisar de comprar os passes. Sim, eu disse "os passes", porque além do passe LisboaViva também tinha de pagar o passe dos autocarros que me levavam até à terrinha. Assim, embora esteja a receber menos pelo subsídio de doença, poupei 120€/mês em passes😉.

SAÚDE 

Nestes 4 meses, fiz 5 ecografias, 2 TAC's, 1 Ressonância Magnética, análises ao sangue, e fiz despesas na farmácia com os novos medicamentos que me eram prescritos. 

Devido à COVID-19, as perspectivas de conseguir realizar estes exames todos, pelo SNS, durante os meses em que estaria de baixa, eram nulas. Para marcar, teria de esperar até que o estado de calamidade e o estado de emergência tivessem passado, e, mesmo assim, haveria uma lista de espera para a realização das marcações...

Como tenho um seguro de saúde, pude realizar estes exames todos pelo privado. Se os quisesse fazer sem o seguro, teria pago, no total, 440€ pelos exames. Usando o meu seguro, paguei 125€ pelos mesmos exames, e pelo seguro pago 35€/mês. O que quer dizer que, mesmo pagando a mensalidade do seguro, mais as despesas de todos os exames, poupei 175€ em relação ao que gastaria se os fizesse sem seguro. Já sem falar da eternidade que levaria à espera que os marcasse pelo SNS.😉

BARBEIRO/CABELEIREIRO

Muito antes desta pandemia, eu já tinha comprado uma máquina de cortar cabelo para poder cortar o cabelo do maridão em casa. O barbeiro onde ele costumava ir nunca lhe deixava o corte em condições, e ele gastava o dinheiro, ainda deixava gorjeta, e vinha sempre aborrecido para casa. 

Depois veio o confinamento, e a oportunidade de lhe fazer a experiência com a máquina foi de aproveitar. Modéstia à parte, o homem ficou contente😊. E eu também, que finalmente gostei de o ver de cabelo cortado! E a poupança?... Bem, a máquina custou 12€. Cada ida ao barbeiro ficava em 13. Já lhe cortei o cabelo 3 vezes...😁 está tudo dito!😉 

Já sem falar do meu cabelo, que nunca mais cortei num cabeleireiro, também pelos mesmos motivos: nunca ficava como eu gosto, e pagava um balúrdio (no meu entender) para ter de vir para casa dar uns retoques a mim mesma... Assim, cortando eu, poupei no dinheiro, e o resultado deixa-me muito satisfeita:

(Entretanto cansei-me deste comprimento, e já o cortei acima dos ombros😊. Não faz mal, ele cresce!😉)


GÁS NATURAL 

Tinha-me baldado um pouco com o envio das leituras do contador, antes de ficar de baixa... Como as facturas vinham por valores até 20€/mês, mal fazia eu ideia que andava a pagar estimativas bem diferentes do real consumo. 

Quando passei a enviar as leituras, é que tomei verdadeiramente consciência: este é o terceiro mês em que a factura a pagar vem a zeros, por conta de valores já pagos anteriormente🤑! Ou seja, há 3 meses que não pago gás natural! 😁

Ainda não enviam as leituras?... Tss, tss, tss😋...

OUTROS

Comprei um tubo de SuperCola3, para uns pequenos trabalhos aqui por casa. Depois de usar a primeira vez, guardei o tubo na porta do frigorífico, que é onde melhor evita que a cola endureça. 

Só que não impediu que a tampa se colasse ao tubo😬!... 

Quando quis voltar a usar, não conseguia abrir a tampa! Detesto sempre que isto acontece! Quase parece que os fizeram para "usar e deitar fora", em vez de ser para aproveitar até ao fim...

Então, experimentei usar o bom do alfinetezinho. Piquei o tubo com um furinho, usei as gotas de cola que precisava, e apliquei um pouco de fita cola por cima do furinho. Assim sim!,😊 vou ter SuperCola3 até ao fim do tubo!😄

E por aí, o que é que se conseguiu poupar?🙂

Cumprimentos, 
Ariana

Mais Notícias Pouco-Boas

Não as chamo de más notícias, porque pouco interferirão com a minha vida actual, da forma que já a levo.

Também não as posso chamar de boas notícias, porque se trata, realmente, de mais uma prova da pouca saúde deste meu corpo, com o qual tenho de saber viver. 

Foi desde Novembro do ano passado que tenho tido dores no tendão do cotovelo, que não me deixam carregar pesos, virar maçanetas, abrir tampas de frascos que sejam de desatarraxar,  levantar objectos de uma superficie com o braço esticado... enfim, várias limitações. Mesmo com aplicação de gelo e anti-inflamatorios, a coisa não foi lá. Nem mesmo com este período de descanso pela baixa...

Finalmente, tenho o relatório da ecografia ao cotovelo. Diagnóstico: epicondilite.



Não se morre disto. Mas também dificilmente se fica curado, quando passa a crónico, que já é o meu caso. Já dura há 8 meses, e não sarou com o gelo, os medicamentos e o descanso que a baixa médica veio providenciar. 

Por isso é que as chamei de "pouco-boas" notícias.  

É mais uma daquelas coisas que terei de "carregar"comigo. Não mata, mas mói.

Quando penso em tudo o que está a passar-se este ano, quer na saúde física, quer na psicológica, não consigo evitar esboçar um sorriso sarcástico e pensar para comigo "Querida, chegaste ao limite da tua garantia..." Daqui para diante, é sempre a perder.

Será?

Ainda queria acreditar que não,  mas as evidências são irrefutáveis ...

Meia vida a batalhar com os problemas financeiros, e quando nos livramos disso, começam os problemas de saúde em força. Ao menos que se pusessem em fila, com direito a vez por senha, para eu ter tempo para atender a cada um...

Mas não. 

A vida não é mesmo como nós quisermos. Nós é que andamos como a vida quer.

Beijinhos a todos,
Ariana


domingo, 28 de junho de 2020

O Futuro é Incerto

Contei no post anterior que estava a aguardar uma oportunidade de mudar de emprego.

Quando o escrevi, só tinha de esperar 1 semana, para saber como ia ser o meu futuro.

Estava esperançosa. Era, talvez, a minha saída da situação opressiva que sinto no meu trabalho actual. 

Mas depois, a semana passou.

E mais uma. E outra. E outra...

Eu ajuizei comigo mesma que as pessoas, num geral, são todas más, e que não posso confiar em ninguém. Afinal, o que tinha custado fazer um telefonema a dizer se tinha sido escolhida ou não?...

Também me obriguei a encarar o meu trabalho actual como uma benção, quando tantas e tantas pessoas estão a perder os seus trabalhos. Forcei-me a encarar o meu futuro como uma coisa imutável, à qual estou vinculada sem hipótese de fugir.

Por isso deixei de vos contar novidades. 

Senti-me presa. Prisioneira das minhas decisões, quer tenham sido boas ou más, sem hipótese de escapatória. 

A quem me estiver a ler, admito, esta situação de doença em que me encontro, junto com o confinamento, a juntar ao ambiente no meu trabalho que sei que me aguarda quando eu voltar desta baixa, fez de mim uma pessoa deprimida. Sei reconhecer os sintomas à légua. Toda a vida vivi com pessoas deprimidas. Mas também sei que, se me deixar ir na onda, muito difícil será a batalha para retornar a quem eu era.

Comecei a escrever um diário assim que passou a primeira semana e não recebi nenhuma chamada para o tal emprego. Escrever ajuda a colocar o que não tem expressão física em palavras ordenadas. Torna o invisível  em algo táctil, material. Quanto mais em baixo me sentia, mais escrevia. Depois, ao ler aquelas palavras, tentava adicionar as coisas boas da minha vida àquelas páginas, como se alguém as fosse ler no futuro, como que querendo mostrar a esse alguém imaginário que a minha vida não se resume àqueles sentimentos derrotistas.

Porque, realmente, é verdade. A minha vida não se resume aos falhanços. 

Com o passar das semanas consegui lidar com estes pensamentos negativos, acomodando-os a uma prateleira da minha memória,  com um letreiro, bem visível para mim, que me lembra, constantemente, que os sentimentos que estão naquela prateleira são perigosos e podem prejudicar gravemente a minha vida. Quando me sinto tentada a tirá-los da prateleira, escrevo. E assim continua o ciclo. 

Este sábado que passou, as coisas mudaram. 

A Dra de quem eu aguardava uma resposta e que não me tinha dito nada contactou-me. Disse-me que se sentia em falta para comigo. Logo por aqui ela ganhou o meu coração. Nunca nenhum patrão me disse alguma vez que se sentia em falta para comigo, em nenhuma ocasião. Contou-me que, naquela mesma semana, a sua mãe foi internada e esteve 15 dias no hospital, e que, por isso, ela não viveu para mais nada nestas semanas a não ser para a mãe. Que teve de reduzir o seu trabalho na clinica ao mínimo. Que não chamou mais ninguém, e, até isto da Covid passar um pouco mais, não chamaria ninguém.

Puxei-me metaforicamente para um canto e dei-me uma censura inesquecível a mim própria. 

Nos tempos que correm, nada é como era antes. Ninguém pode contar com o futuro. Nenhuma alma pode assumir um compromisso, ou dar a sua palavra, ou uma garantia, sem que corra o risco de falhar com todos eles. Porque ninguém tem o controlo da sua vida. Somos todos falíveis. Todos meros peões num tabuleiro de xadrez, passíveis de sermos mortos por um qualquer bispo, torre ou dama, chamados Covid-19.

Só temos uma certeza: o futuro é Incerto.

Beijinhos,
Ariana

quarta-feira, 3 de junho de 2020

Oportunidades

Por aqui, ainda está tudo bem, graças a Deus. À parte a minha saúde, que anda conforme quer, não há mais más notícias. 

Só tenho a apontar os telefonemas da patroa, de cada vez que renovo a minha baixa médica, que têm um tom de desinteresse chocante:

"Ah, vai continuar de baixa? Olhe, ainda bem, para nós ia ser muito complicado se a Ariana voltasse já, como sabe, não teríamos como suportar mais um ordenado. Assim é uma grande ajuda que nos dá, se puder continuar de baixa, por nós, é o melhor. É bom para si, e é bom para nós. Enquanto puder ser, continue, sim?..."

Foi assim o último telefonema... Eu ainda lhe disse:

 "Dra, claro que compreendo a situação aí. Mas a Dra percebe que não estou de baixa por causa da clínica, certo?... As coisas por aqui estão mesmo más, os meus exames acusam coisas chatas de resolver.. Por isso é que continuo de baixa, não é por dar jeito à clínica!"

Mas dali só veio um "Sim, claro, mas já que se encontra nessa situação, só podemos aproveitá-la como positiva para nós, porque nos tira um problema de cima dos ombros..."

🤐 Sem comentários. Nem tentam esconder que não me vêem como uma pessoa. Desliguei o telefone a sentir-me lixo descartável. 

Desde então, a vontade de mudar a vida apoderou-se de mim com uma insistência que nem sei explicar.

Tenho enviado currículos para tudo o que encontro. Sem esquisitices. O objectivo é encontrar algo que me permita dar o passo de pedir licença sem vencimento, e depois, se a coisa se consolidar, demito-me.

Estou a aguardar por uma resposta neste momento. Um novo emprego, talvez.

Mas, às vezes, é muito difícil pensar objectivamente, sem sentimentos à mistura...

Ainda temos compromissos financeiros aos quais não podemos faltar. A renda desta casa onde vivemos há ano e meio não é das mais altas, mas é relativamente alta. Pagamos mais por esta casa do que pagava pelos dois empréstimos habitação que tínhamos antes... Se eu ficar sem emprego, como é que nos poderemos manter aqui?... Porque, de facto, não queremos outra casa, não queremos sair de onde estamos...

Mas depois, penso na possibilidade de deixar de me sentir rebaixada e humilhada no trabalho, e a oportunidade parece-me muito mais atraente.

As pessoas dizem que mais vale um pássaro na mão do que dois a voar. Mas... E se for possível, mesmo assim, ficar com um pássaro na mão?...

Por mim, deixava o actual trabalho de vez.

Mas não posso deixar de pensar na nossa vida conjunta, no nosso futuro. 

E isso... assusta-me como um raio! E se escolho mal?...

Cumprimentos, 
Ariana



terça-feira, 5 de maio de 2020

As Notícias Por Aqui

... não são as melhores, mas também podiam ser piores...🤷‍♀️

Notícias da minha mão "perra" que já não se endireita:


Notícias da minha cervical:


E notícias da minha lombar:


Ainda me falta a Ressonância Magnética à mão, e a ecografia à lesão do tendão do cotovelo🙄. Só espero que continuem a vir mais das boas notícias do que das más🙄 ...

Daqui de onde estou, apesar das más notícias da tenossinovite da mão, das hérnias e da microfratura da vértebra, até fiquei aliviada, que ainda não são tantas hérnias quanto a minha médica de família esperava...😁

Agora é continuar com o resto dos exames, e esperar que os danos demonstrados sejam menores do que aqueles que esperamos.😉 E permanecer em repouso. Enquanto dá.

O importante é não deixarmos de perceber o "copo meio cheio" quando nos mostram "o copo meio vazio"😉.

E por aí, como vão as coisas🙂?

Cumprimentos 💕,
Ariana

sexta-feira, 24 de abril de 2020

Do Que Precisamos

Ontem, ao ver um filme em que se reuniam mais de 30 pessoas juntas, numa sala, em pé e encostadas umas às outras, para ouvir um comunicado oficial de autoridades, dei por mim à beira de uma crise de choro.

A história do filme tornou-se secundária, e os meus olhos fixaram-se naquela pequena multidão, como quem abre um tesouro e fica maravilhado com o seu brilho.

Senti saudades.

Muitas saudades de estar despreocupada no meio de uma multidão, poder pôr uma mão num ombro amigo, dar abraços de amizade e consolo, fazer festas nos rostos sulcados de amigos achegados que têm mais de 80 anos...

Pensava que estava a lidar bem com a minha situação de saúde junto com a obrigatoriedade de isolamento.

Afinal, parece que não.

"Nenhum homem é uma ilha." - John Donne

Cumprimentos, e desejo muito que estejam bem!
Ariana

terça-feira, 21 de abril de 2020

Orçamento Mensal Para Compras de Supermercado

A 13 de Março fiz compras a contar com as 4 semanas seguintes.

Depois, fiz uma lista de todas as coisas que tinha em casa, junto com as compras feitas, para saber com que quantidades iniciei o mês de baixa:









Quando algo era utilizado, dentro do mês planeado, coloquei uma cruz. Chegada a 13 de Abril (ou seja, 1 mês passado) fiz um inventário do que ainda tinha. Depois desse dia, quando se acabava 1 outro item, colocava a cruz e por cima a data em que acabou.

Com isto percebi que houve quantidades inicialmente planeadas que foram insuficientes e outras que foram em demasia.

Assim, hoje fiz novo orçamento para supermercado, para o próximo mês, com quantidades ajustadas. O valor orçamentado, de 350€, é porque tenho em mente comprar para fazer algum stock, que não seja consumido dentro do próximo mês, mas apenas em caso de necessidade especial. Aqui fica a minha nova lista de compras para as próximas 4 semanas:





As quantidades foram ajustadas levando em conta o que ainda tenho, quer por cozinhar ou utilizar, quer o já cozinhado, que tenho no frigorífico e no congelador, e mantenho o inventário (junto com as ementas) na porta do frigorífico:


Tenho a certeza que a situação de isolamento em que vivemos vai acabar, mas também tenho dúvidas que seja para já...🙄

Pelo menos o meu próprio isolamento, devido à doença, ainda vai durar mais 30 dias, e a minha médica ainda tem medo em me mandar trabalhar dentro de 1 mês, porque a minha situação de saúde não está tratada, apenas mascarada com medicamentos (🙄 bem fortes, pelos vistos, que para os comprar na farmácia até tive de mostrar o cartão de cidadão 😕)

Por tudo isto, tento prevenir para o pior, esperando SEMPRE pelo melhor😉.

E por aí, como fazem para gerir as compras?

Cumprimentos, e mantenham-se protegidos!💕
Ariana

sábado, 18 de abril de 2020

Poupar Água e Poupar Com Água


  • Poupar Água 


Continuo a usar vinagre de vinho branco como amaciador para o meu cabelo. Tenho, por isso, esta garrafinha de vinho branco junto dos champôs:


bem como este copo medidor:


...que uso para diluir o vinagre em água e assim passar no cabelo antes de sair do banho, como já expliquei antes.

Antes de estar doente, tinha este copo no chão do poliban, mas por questão de praticidade e para não estorvar nos banhos do maridão, pensei em colocá-lo ali onde vêem na foto, pendurado na própria torneira, por baixo do chuveiro.

Acontece que, quando fui tomar banho no dia seguinte, reparei nisto:


Tinha água😳!

Nunca demos conta que pingasse água desta torneira enquanto estávamos em casa, antes de eu pendurar ali o copo. Mas a verdade, pelo que se pode ver, é que pinga! Não é muito, mas é o suficiente  para regar esta menina todos os dias😊:


É caso para dizer "Gota a gota, enche a menina o vaso😁"


  • Poupar Com Água


Em Fevereiro tivemos cá em casa um casal de amigos a jantar, que trouxeram, como oferta, duas garrafas de 1 litro de néctar Compal, que como não chegaram a ser abertas no jantar, foram guardadas no frigorífico.



Nós gostamos deste néctar, especialmente o de pêra 😋, mas não é coisa que compre por hábito. Além disso, sempre achámos que o fazem bastante mais "espesso", ou "polposo", do que, para nós, seria agradável para beber a uma refeição.

Assim, quando finalmente decidimos abrir os pacotes, verti meio litro de um dos pacotes para um jarro de vidro e misturei com meio litro de água. E assim fui fazendo para bebermos.  De 2 litros de sumo Compal, transformámos em 4 litros😋. Sem perder o sabor e a doçura característica destes sumos.

E por aí, o que mais se tem feito para poupar água, além do que já é prática corrente?

Cumprimentos, e bom fim de semana!💕
Ariana

quinta-feira, 16 de abril de 2020

Um Simples Alfinete

Como "cafeólica" assumida que sou 😊 (e o maridão não me fica atrás 😉) não conseguia passar tanto tempo em casa sem, pelo menos, um cafézinho a seguir ao almoço (😋 conseguir, conseguir, até conseguia, mas vocês entenderam o espírito da frase🤗).

Das compras feitas nestes 30 dias que passaram, vieram para casa as famosas cápsulas Auchan compatíveis com máquinas Nespresso. Afinal, são das mais baratas que encontramos por aqui🤷‍♀️.

Só têm um problemazito:

Quando pomos uma cápsula na máquina, o café só sai em pinguinhas, e mal chega a encher uma chávena de "bica"😕...

Mais alguém tem este problema?...🤔

Então, foi uma aventura até encontrar o método certo😋.

Furava a cápsula na máquina uma primeira vez, retirava-a, voltava a colocar na máquina e furava novamente, mas o café... 😤 NADA!...

Então repetia o processo anterior, mas desta vez deixava correr um pouco do café até se ouvir o "pop" da água a entrar na cápsula, interrompia, voltava a retirar, voltava a colocar, deixava o café sair mais um pouco e...😤😤😤 NADA!

Então pensei em experimentar um alfinete😉.

Um simples alfinete de costura😋.

Perfurei a cápsula tanto na parte da frente como na parte de trás.




Coloquei-a na máquina, pressionei o botão ON e...😃 YEEEEIIIII😄, HABEMUS CAFÉ!!!!! 😁😁😁 E é café com espuma!!!!

(Ok, não é o melhor café do mundo, eu sei😏, mas é café e agora não vai parar ao lixo o dinheiro investido😉).

E assim, após a experiência bem sucedida, muni a nossa máquina Nespresso de mais um acessório 😊:


UM SIMPLES ALFINETE preso num pouco de esferovite😄.

E por aí, como fazem para conseguir um bom café destas cápsulas?

Cumprimentos, e tenham também, para quem gosta, um bom café hoje!😉
Ariana

quinta-feira, 9 de abril de 2020

Pensar No Futuro

Imagino que deve ser aquilo que mais preenche a preocupação de muitos, pensar no que o futuro nos trará depois deste período negro.

Eu, que sou uma eterna optimista, mas sem perder o contacto com a realidade, tenho a certeza que vamos ultrapassar este cenário pandémico😉.

Não tenho dúvidas 🙂.

Se eu, o maridão, ou todos os meus ainda cá estivermos para ver... 🤷‍♀️ isso não me ocupa a mente agora. Temos todos os cuidados possíveis para diminuir a possibilidade de contágio, mas, os imprevistos acontecem, e não vale a pena tentar controlar tudo aquilo que não podemos controlar, que só nos levaria à loucura🙂.

No entanto, como já vos disse há uns dias, continuo a precaver-me para o futuro.

Um futuro mais próximo, que me ponha mesmo de cama, incapaz de me mexer.

Ou que lance o maridão de cama, impossibilitado de me ajudar com cargas e pesos.

Ou que nos proíbam mesmo de sair de casa para ir buscar bens essenciais.

Ou ainda, que até possamos sair de casa, mas os preços subiram tanto que se torne impossível trazer para casa tudo o que seja necessário.

Ou pior, que nada disso aconteça, mas as pessoas, em pânico com alguma má notícia, "limpem" as prateleiras dos supermercados e não pensem nos vizinhos.

Como sou optimista, mas não sou cega, julgo bem possiveis algumas destas coisas acontecerem nos próximos meses.

Assim, quando vos disse que estou a aproveitar para congelar refeições,  não quis dizer que estou a comprar itens ao máximo que posso para poder fazer isso.

O que estou a fazer é simples.

Fazemos compras de acordo com o que nos falta em casa.

Estabeleço a nossa ementa da semana de acordo com o que tenho em casa.

Depois, quando cozinho a refeição, (por exemplo, coxas de frango estufadas com ervilhas), tiro para uma caixa a quantidade de 2 doses, escrevo na caixa com um marcador de tinta lavável "Coxas de frango com ervilhas - 2 doses), e ponho a congelar. Quando faço a sopa, faço o mesmo. Deixo 4 doses para consumir no imediato, e congelo outras 4 doses da sopa.




Porque é que estou a fazer assim? Assim não tenho de cozinhar mais frequentemente?

Sim, tenho.

Mas a pensar no tal futuro em que não possa sair ou não haja o que comprar, fazendo desta maneira diversifico a alimentação agora, bem como também diversifico para o tal futuro.

Deste modo, nem comemos o mesmo durante 3 dias agora, nem depois teremos só enlatados e leguminosas à nossa disposição. Os frescos que agora ainda pudemos comprar a preços normais estarão já cozinhados, à  nossa disposição, para quando estiverem demasiado caros ou já nem sequer estiverem disponíveis nos supermercados.

Mas não julguem que penso no pior😊.

Se nada disto acontecer, já terei um bom stock de refeições prontas, para quando voltar ao trabalho e fizer 2 turnos por dia, pela minha colega😉.

É o meu modo de garantir alguma paz futura.

Certamente, não é melhor nem pior que o método de outros.

Mas levando em conta que, além da batalha exterior que se combate contra a Covid-19, eu ainda tenho a batalha interior da minha saúde estar a querer vencer-me, esta foi a forma que arranjei para não ser totalmente sobrepujada pelas crescentes limitações fisicas.😉

Essas, irão continuar por cá, mesmo quando o Coronavirus já só for uma miragem na nossa lembrança 🙄...

E por aí, fazem alguma preparação para o futuro?🙂

Cumprimentos, e mantenham-se optimistas!
Ariana

quarta-feira, 8 de abril de 2020

Aproveitar Até Ao Fim

Ontem fiz uma sopa.

Usei chuchu, curgete, cenoura, batata, tomate e nabo.

Descascados, claro😊.

A sopa, saiu uma de ervilhas.

As cascas?...😋

As cascas dos vegetais (excepto das batatas) foram cortadas em pedacinhos, e congeladas, para enriquecer os saquinhos das refeições do quatro-patas (todos estes são vegetais e legumes que estão incluídos na sua dieta😉):



As cascas das batatas foram também cortadas em tirinhas finas, para fritar.






Ficam bem boas como snack, só temos de ter atenção à fritura, que queimam rapidamente se não estivermos a controlar o ponto😉

Assim, dos resíduos de uma sopa, tive 3 ganhos😊:

Poupo nas refeições do patudinho (menos vegetais ou legumes que tenho de gastar com ele)

Poupo nos pacotes de batata frita como snack 😉 (já vos disse que sou maluca por batatas fritas???😅)

E poupo no lixo orgânico!!!😉 Isto foi o que sobrou, que foi realmente descartado para o lixo:


Alguma vez provaram cascas fritas?...😊 Se forem bem feitas, são óptimas!🤤 Experimentem!😉

Cumprimentos, e aproveitem SEMPRE até ao fim!😉
Ariana

sábado, 4 de abril de 2020

Por Aqui Vamos

Ariana, o que tens feito? Por onde andas?...

Já estou em casa, de baixa médica por doença, há 15 dias.

E vou continuar.

Esperava que as dores das lesões nos tendões diminuissem, já que parei com a rotina alucinante que tinha no trabalho, mas não.

A dor continua, e sempre que quero usar este braço,  faz-me saber que ainda está viva e de boa saúde 🤕

Por falar em saúde, a boa notícia é que o maridão está bem e recomenda-se🤗! A "constipação" era mesmo só uma constipação 🤗.

Tenho usado o meu tempo para ir fazendo refeições mais variadas, em que faço mais quantidade para depois congelar parte. Assim, tenho sempre alguma sopa e refeições prontas, caso algum de nós fique doente, ou para o caso de, eventualmente, sair de casa para ir às compras passe a ser extremamente difícil.

Aqui fica um vislumbre de como me tenho organizado:

Nos post-it's amarelos, a ementa. Nos brancos, as existências no congelador.

Pão de espelta com sementes

Pão e queques de banana 

Morangos com natas

Muito mais foi feito, mas não me lembrei de fotografar🤷‍♀️

E por aí,  como vão as coisas?🙂
Ariana